domingo, setembro 30, 2007

O RETORNADO...


Com estas imagens do Janíssaro da Sublime Porta e da Hungria desmembrada, retorno às lides bloguísticas para explicar de modo
succinto algumas passagens contidas nos blogs antecedentes, compostos por Vintage Polo, o grande viandante pelo Adriático (território de controle Veneziano) e pelo Bósforo. Aguardo com ânsia incontida novas imagens desse périplo tão interessante. Quanto à pergunta sobre o país onde se encontra o letreiro da Rua dos Judeus (em Dubrovnik...), basta olhar para o mapa supra para se ver que era parte integrante do Reino da Hungria, e que foi ignóbilmente entregue à Croácia (na época a recém criada, mas agora extinta, Jugoeslávia) no rescaldo da Grande Guerra, por imposição do infame Tratado de Trianon (que os húngaros diziam, e ainda dizem: Três Vezes NÃO! Em latim: Tria NON), tratado êsse que que os Húngaros foram vergonhosamente forçados a assinar pelas potências aliadas, e instigadas pelo Wilson (de quem poucos ainda se recordam...). Bem, vejo que perdí a oportunidade única de estar com o Freitas, porque o Sr. Argus Canídeo já respondeu à pergunta formulada pelo meu amigo Vintage.
Bem hajam V.Exas. por manterem vivas as memórias sagradas.
Quero também juntar a este veículo a minha dose de indignação pela decisão de "sagrar" um Regicida, depositando os seus ignóbeis restos mortais no que, em condições de normalidade, seria o local santificado para imortalizar a memória dos grandes Portuguêses. Infelizmente, o Panteon Nacional há muito que perdeu toda a sua pseudo pureza. Basta atentarmos ao facto de ter sido utlizado para a apresentação de um dos volumes da hedionda e imbecilizadora obra "literária" HARRY POTTER... O tempora, o mores! Para onde vamos...
Abraço fraterno do redivivo
CIRRUS
A NOI

1 comentário:

Scotch disse...

Regicídio? Está quase a fazer 100 anos e há que evocar o Rei e o Príncipe Real assassinados pelos terroristas republicanos. A todos apelo à comparência massiva. O crime de 1908 anunciou a separação de Portugal da Europa, o assalto ao poder por uma minoria que jamais se submeteu ao veredicto dos portugueses, a confiscação do Estado por organizações secretas e grupos armados, o fim do Estado de Direito, anos de balbúrdia seguidos de ditadura e de ditadura seguida por balbúrdia. Sem o regicídio não teria havido intervenção na Grande Guerra, nem deriva radical jacobina, nem reacção católica autoritária, nem revolução marxista, nem descolonização de pé descalço, nem genocídio de Timor, nem entrada aos empurrões e sem condições para a CEE. Estaríamos, certamente, bem mais ambientados às práticas, ritmo e crenças da tolerância, da vivência da Liberdade e do patriotismo; em suma, estaríamos bem mais civilizados. Portugal perdeu quase cem anos com a burla, as superstições e desmandos da república. Ainda é tempo de recuperar ? 1 de Fevereiro, todos ao Terreiro do Paço!!!
Scotch